Pular para o conteúdo

Qual a diferença entre um sinistro de pequena e média monta

Qual a diferença entre um sinistro de pequena e média monta

Os carros e motos desempenham um papel fundamental na vida cotidiana da maioria das pessoas, sendo essenciais tanto para o trabalho quanto para o lazer. No entanto, o elevado número de veículos e a negligência de alguns motoristas podem resultar em acidentes. Portanto, é importante compreender a diferença entre um sinistro de pequena e média monta.

O universo dos leilões oferece ótimas alternativas de veículos sinistrados, possibilitando a aquisição de um exemplar da marca e modelo desejados por um valor acessível ao orçamento. Quer descobrir como fazer isso? Continue lendo o post e aprenda mais sobre o tema!

O que é um sinistro?

No contexto dos seguros, assim como em qualquer setor de mercado, existem termos específicos que fazem parte do vocabulário de clientes e profissionais. Um dos termos mais comuns é o “sinistro de automóveis”, presente em qualquer apólice ou contrato de seguro.

O termo refere-se a qualquer evento em que o bem segurado sofre um prejuízo material, podendo ser parcial ou total. A definição adequada, especialmente no contexto de um veículo, está relacionada à gravidade dos danos, que podem ser de pequena, média ou grande monta.

O que é um carro ou moto sinistrada?

Um carro ou moto sinistrada é um veículo que sofreu algum tipo de dano, levando o proprietário a acionar o seguro. As situações mais comuns incluem colisões, roubos, furtos, entre outros. A seguradora indeniza o proprietário conforme o acordado na apólice e, dependendo dos danos, pode ficar com o veículo sinistrado em sua posse. Em alguns casos, a seguradora pode recuperar um carro ou moto em boas condições, com poucos ou nenhum dano, e colocá-lo à venda em leilões futuros.

Principais tipos de sinistro

Toda batida de carro ou moto recebe uma classificação de sinistro

Diversas situações podem levar à acionamento do seguro e resultar em um sinistro. Alguns dos principais incluem:

  1. Colisões: Batidas comuns, podendo resultar em danos parciais ou totais, dependendo da gravidade.
  2. Roubos e furtos: Infelizmente, o Brasil ainda enfrenta altos índices desses eventos. Após comunicar o ocorrido, o proprietário tem direito à indenização, e o veículo pode ser leiloado mesmo se recuperado com poucos ou nenhum dano.
  3. Causas naturais: Eventos como temporais, enchentes e quedas de árvores podem causar danos aos veículos, dependendo da cobertura da apólice.

Classificação de sinistros para carros e motos

Existem 3 tipos de classificações para um veículo acidentado

Como ocorre a classificação de sinistros em um veículo? Em decorrência dos diversos níveis de danos causados, existe uma categorização que facilita a compreensão da gravidade do problema. Geralmente, as classificações mais comuns no mercado são aquelas de pequena e média monta, as quais serão detalhadas a seguir. Acompanhe.

Danos de Pequena Monta: Os danos denominados de pequena monta são frequentes no cenário dos seguros. Eles ocorrem quando o veículo sofre danos que afetam exclusivamente a estrutura externa e determinadas peças mecânicas. Dessa maneira, ao substituir ou reparar essas partes, é possível restaurar o veículo, possibilitando seu retorno à circulação sem a necessidade de verificações adicionais.

Danos de Média Monta: Os danos de média monta, por sua vez, são um pouco mais extensos. Quando ocorrem, indica-se que o veículo sofreu danos mais intensos em suas partes externas, mecânicas e estruturais. Após a realização dos reparos adequados, torna-se necessário realizar uma inspeção de segurança veicular e obter o Certificado de Segurança Veicular (CSV) para que o veículo possa voltar a circular.

Danos de Grande Monta: Um veículo classificado como de grande monta é considerado irrecuperável, resultando na baixa de seu cadastro. Em outras palavras, não há possibilidade de reparo, e a única opção é vendê-lo como sucata.

Determinação da classificação do sinistro


A determinação do tipo de classificação de sinistro é de responsabilidade do agente de trânsito, no momento da elaboração do Boletim de Ocorrência do acidente. Existe uma resolução do Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN), datada de 2008, que estabelece critérios a serem avaliados para qualificar o ocorrido.

Na prática, a análise se concentra na situação e na viabilidade de o veículo voltar a circular livremente após os reparos necessários. É considerado se o carro ou moto poderá retornar às ruas sem restrições, após inspeção, ou se há a necessidade de procedimentos adicionais. Essa etapa é de extrema importância no contexto dos seguros.

Confira também: Vale a pena comprar moto de seguradora? Descubra aqui

Registro do sinistro no documento do carro ou da moto

Para danos de pequena monta, não há marcação no documento. Veículos com danos de média monta terão essa informação no campo de observações, indicando a aprovação na inspeção para circular.

Em resumo, veículos provenientes de leilões de sinistrados recuperados podem ser excelentes investimentos, proporcionando a oportunidade de adquirir um carro ou uma moto desejada por um preço mais acessível. É fundamental escolher uma empresa de confiança, oferecendo bom atendimento ao participar dos leilões.

Deixe sua avaliação

Deixe sua opinião