Pular para o conteúdo

O que pode acontecer com uma moto não licenciada?

O que pode acontecer com uma moto não licenciada

Entender o que pode ocorrer com uma moto não licenciada é crucial para quem deseja continuar trafegando pelas vias do país. Afinal, o licenciamento é um procedimento essencial que permite à moto circular legalmente, indicando que está em conformidade com suas obrigações fiscais. Vamos examinar, então, as possíveis consequências de uma moto não licenciada.

O que é o licenciamento?

O licenciamento de motos é um processo indispensável para quem costuma percorrer as estradas do Brasil. É um procedimento obrigatório, utilizado para a emissão do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV). Assim, todas as motocicletas, veículos elétricos, etc., devem passar por esse licenciamento anual obrigatório para poderem circular sem problemas.

Esse processo está estabelecido no artigo 130 do Código de Trânsito Brasileiro, sobre o qual discutiremos mais adiante. E não é apenas a emissão do CRLV que é obrigatória; também é obrigatório transportá-lo. Compreender isso é o primeiro passo para compreender as possíveis consequências de uma moto não licenciada. Contudo, para emitir o CRLV, é essencial que a moto esteja totalmente em dia com suas obrigações tributárias.

Portanto, o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) deve ser devidamente quitado, assim como todas as multas e taxas aplicáveis. Ao estar completamente regularizada, a moto recebe a emissão do CRLV, autorizando o condutor a circular pelas estradas em todo o território nacional, desde que esteja habilitado, é claro.

Confira também: Como imprimir CRLV de moto de leilão

Quando devo licenciar minha moto?

Como mencionado, o licenciamento é um procedimento essencial para todos os condutores. Sem ele, o motociclista está proibido de circular com o veículo, ficando sujeito a todas as penalidades e medidas administrativas aplicáveis. Uma moto sem licença não tem permissão para circular livremente. No entanto, antes de compreender o que pode ocorrer com uma moto não licenciada, é crucial entender quando esse licenciamento deve ser realizado.

Em termos gerais, o licenciamento de veículos é um processo anual obrigatório. Portanto, deve ser efetuado a cada ano, de forma obrigatória, sob pena do veículo não poder mais trafegar pelas estradas do país. A cada licenciamento, é gerado um Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV), válido apenas para o ano de emissão.

Após esse período, um novo certificado precisa ser emitido para autorizar a moto a circular regularmente. Como estipulado por lei, não há meio-termo; o proprietário deve realizar o licenciamento ou o veículo perde o direito de circular. Um aspecto interessante é que o calendário desse licenciamento é baseado no final da placa.

Portanto, é crucial ficar atento ao calendário para não perder as datas de vencimento. Passado o período indicado, o veículo estará em atraso, configurando uma infração gravíssima. O calendário varia consideravelmente de estado para estado e está disponível no site do Detran.

Nesse caso, é necessário consultar o calendário do estado em que a moto está registrada, pois é a ele que o CRLV fará referência.

O que a legislação determina sobre andar em uma moto não licenciada?

A norma que rege todas as atividades relacionadas ao tráfego é a Lei nº 9.503, de setembro de 1997, que estabelece o Código de Trânsito Brasileiro. Conhecido como CTB, esse código engloba todas as regulamentações referentes ao trânsito em geral, incluindo normas de condução, regulamentação de veículos, entre outras. Em sua seção específica sobre infrações de trânsito, há um artigo que aborda especificamente a condução de veículos não licenciados.

Segundo o inciso V do artigo 230 do Código de Trânsito Brasileiro, conduzir uma moto que não esteja devidamente licenciada é considerado uma infração gravíssima. As penalidades para essa infração incluem uma multa e a apreensão da moto, com a medida administrativa correspondente sendo a remoção do veículo. Portanto, de acordo com a lei, é proibido conduzir uma moto que não tenha seu Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV) devidamente emitido. Vamos agora examinar o que pode acontecer com uma moto não licenciada.

Confira também: O que fazer para não ter a minha moto apreendida

O que pode acontecer com uma moto não licenciada?

Motos apreendidas pela polícia e sendo recolhidas pelo guincho

O trânsito no Brasil já é conhecido por não ser dos mais tranquilos, com congestionamentos frequentes em muitas cidades. Os acidentes também são uma preocupação, considerando os índices elevados. Ter controle sobre quem trafega nas estradas é fundamental para abordar esses problemas.

Por isso, as leis de trânsito exigem uma dupla legalização, relacionada tanto ao condutor quanto à moto. Não basta apenas o motociclista ter sua Carteira Nacional de Habilitação (CNH) em ordem; é necessário que a moto esteja completamente regularizada. Nesse contexto, além do registro do veículo em si, é obrigatório realizar anualmente o licenciamento dessas motos.

Conforme estabelecido pelo CTB, todos os veículos automotores, elétricos, reboques, etc., devem estar devidamente licenciados para circular em vias públicas. Essa é uma exigência do governo para que as motos possam transitar livremente pelas estradas do país. Mas o que pode acontecer com uma moto não licenciada? Bem, isso dependerá do comportamento do condutor.

De maneira geral, uma moto sem licença está proibida de circular nas estradas do país, configurando uma infração gravíssima. O que pode acontecer com uma moto não licenciada é, portanto, sofrer as penalidades estipuladas pela lei. Nesse caso, como já mencionado, se a moto for interceptada, tanto o veículo quanto o proprietário estarão sujeitos às medidas cabíveis. As penalidades incluem uma multa e a apreensão da moto, com a medida administrativa correspondente sendo a remoção do veículo.

É exatamente isso que pode acontecer com uma moto não licenciada. Contudo, essa situação pode ser facilmente evitada ao cumprir todas as obrigações legais e manter o CRLV sempre atualizado.

Deixe sua avaliação

Deixe sua opinião